top of page

Stálin: "Emulação e entusiasmo laboral das massas"

Atualizado: 24 de nov. de 2022

J. V. Stalin 11 de Maio, 1929

“A maior guerra colonial da história”



 

Não se pode duvidar que uma das características mais importantes - se não a mais importante - do nosso trabalho construtivo no presente momento é o amplo desenvolvimento da emulação entre as vastas massas de trabalhadores. Emulação entre moinhos e fábricas inteiras nos mais diversos cantos do nosso país sem fronteiras; emulação entre trabalhadores e camponeses; emulação entre fazendas coletivas e fazendas estatais; registo destes desafios de produção em massa em acordos específicos do povo trabalhador - todos estes são factos que não deixam dúvidas de que a emulação socialista entre as massas já se tornou uma realidade. Começou um forte aumento do entusiasmo da produção. entre as massas de trabalhadores. Agora até os cépticos mais confirmados são obrigados a admitir isto.


"Longe de extinguir a emulação", diz Lenine, "o socialismo cria pela primeira vez a oportunidade de o empregar numa escala realmente ampla e em massa, de atrair realmente a maioria da população trabalhadora para a arena de tal trabalho, de modo a permitir-lhes mostrar as suas capacidades, desenvolver as suas capacidades, revelar os seus talentos, dos quais existe uma fonte inexplorada entre o povo, e que o capitalismo esmagou, reprimiu e estrangulou entre milhares e milhões". . .

. . "Só agora é criada a oportunidade em grande escala para uma exibição verdadeiramente maciça de empreendimento, emulação e iniciativa ousada". . porque "pela primeira vez após séculos de trabalho para os outros, de trabalho sob compulsão para os exploradores, tornou-se possível trabalhar para si próprio". . .

. "Agora que um Governo socialista está no poder, a nossa tarefa é organizar a emulação". 1

Foi a partir destas propostas de Lenine que a Décima Sexta Conferência da C.P.S.U.(B.) procedeu quando emitiu o apelo especial de emulação aos trabalhadores e a todas as pessoas trabalhadoras. Certos "camaradas" do tipo burocrático pensam que a emulação é apenas a última moda bolchevique, e que, como tal, está destinada a desaparecer quando a "estação" passa. Estes "camaradas" burocráticos estão, evidentemente, enganados. De facto, a emulação é o método comunista de construir o socialismo, com base na máxima actividade das vastas massas de trabalhadores. Na realidade, a emulação é a alavanca com que a classe trabalhadora está destinada a transformar toda a vida económica e cultural do país, com base no socialismo. Outros "camaradas" do tipo burocrático, assustados com a poderosa maré da emulação, tentam comprimi-la dentro de limites artificiais e canalizá-la, para "centralizar" o movimento de emulação, para reduzir o seu alcance e assim privá-la da sua característica mais importante - a iniciativa das massas. Escusado será dizer que as esperanças dos burocratas não se concretizarão. Em todo o caso, o Partido fará todos os esforços para as destruir. A emulação socialista não deve ser considerada como um empreendimento burocrático. A emulação socialista é uma manifestação de autocrítica revolucionária e prática por parte das massas, que surge da iniciativa criativa das vastas massas de trabalhadores. Todos aqueles que, com ou sem intenção, restringem esta autocrítica e iniciativa criativa das massas devem ser postos de lado como um impedimento à nossa grande causa. O perigo burocrático manifesta-se concretamente sobretudo no facto de algemar a energia, a iniciativa e a atividade independente das massas, manter escondidas as colossais reservas latentes nas profundezas do nosso sistema, no fundo da classe trabalhadora e camponesa, e impedir que essas reservas sejam utilizadas na luta contra os nossos inimigos de classe. É tarefa da emulação socialista esmagar estas grilhetas burocráticas, permitir uma ampla margem para o desenvolvimento da energia e iniciativa criativa das massas, trazer à luz as colossais reservas latentes nas profundezas do nosso sistema, e atirá-las à escala na luta contra os nossos inimigos de classe, tanto dentro como fora do nosso país. A emulação socialista é por vezes confundida com a concorrência. Isso é um grande erro. A emulação socialista e a competição exibem dois princípios totalmente diferentes. O princípio da competição é: derrota e morte para uns e vitória e dominação para outros. O princípio da emulação socialista é: uma assistência camarada por parte dos mais atrasados, de modo a alcançar um avanço de todos. Diz a concorrência: Destruam os atrasados de modo a estabelecer o seu próprio domínio.


Diz a emulação socialista: Uns trabalham mal, outros trabalham bem, outros ainda, o melhor de todos, com os melhores e asseguram o avanço de todos. Isto, de fato, explica o entusiasmo de produção sem precedentes que tem dominado as vastas massas de trabalhadores como resultado da emulação socialista. Escusado será dizer que a competição nunca poderá suscitar nada que se assemelhe a este entusiasmo das massas. Ultimamente, os artigos e comentários sobre emulação têm sido mais frequentes na nossa imprensa. Eles discutem a filosofia da emulação, as raízes da emulação, os possíveis resultados da emulação e assim por diante. Mas raramente se encontra um artigo que dê qualquer descrição coerente de como a emulação é posta em prática pelas próprias massas, o que as grandes massas de trabalhadores experimentam quando praticam a emulação e assinam acordos, uma descrição mostrando que as massas de trabalhadores consideram a emulação como a sua própria causa, próxima e querida. No entanto, este lado da emulação é da maior importância para nós. Penso que o panfleto do Camarada E. Mikulina é a primeira tentativa de dar uma exposição coerente dos dados da prática da emulação, mostrando-a como um empreendimento das massas dos próprios trabalhadores. O mérito deste panfleto é que dá um relato simples e verdadeiro desses processos profundos do grande surto de entusiasmo laboral que constituem a força motriz interior da emulação socialista.


Fonte: marxists.org






 

Notas: 1. V. I. Lenin, “How to Organise Emulation?” (See Works, 4th Russ. ed., Vol. 26, pp. 367, 368).

“A maior guerra colonial da história”








"A Vitória de Lênin e Stalin!" (1949)


Comments


bottom of page